domingo, 7 de novembro de 2010

Dica de cinema: Preciosa

Olá pessoas! Hoje trago um filme inspirador como dica de cinema. “Preciosa” é um dos melhores filmes que vi esse ano e uma das maiores surpresas cinematográficas que já tive. Então, claro que ia fazer uma resenha dele aqui pro Prateleira.

“Preciosa – uma história de esperança” é baseado no livro Push (escrito por Sapphire) e conta a história de Precious Jones (Gabourey Sidibe), uma adolescente que sofre diversos tipos de abuso em casa. É estuprada pelo pai e como resultado está grávida do segundo filho com ele, sendo a primeira portadora de Síndrome de Down e apelidada “carinhosamente” de Mongo. Sua mãe, enciumada pela situação pai-filha, maltrata Precious constantemente, tanto física como psicologicamente, o que a faz crescer irritada e desacreditada de si, se apoiando unicamente na sua imaginação para fugir das situações horripilantes pelas quais passa todos os dias.


Até que um dia a diretora de sua escola e seu professor de matemática, vendo o estado preocupante de Precious e acreditando no seu potencial, encaminham-na para uma escola alternativa que ajuda pessoas desniveladas e com dificuldade de aprendizado, a Each One Teach One. É nessa escola que ela encontra pessoas que lhe ajudam e fazem-na voltar a ter sonhos de crescer na vida e sair da posição em que se encontra. Mas, quando tudo estava se encaminhando, Precious recebe uma terrível notícia e passa agora a lutar contra outra batalha, sem, contudo perder a fé em si mesma.

Preciosa pode parecer um filme de superação como outro qualquer, dentre os vários já produzidos em Hollywood, mas não é. Uma coisa que chama a atenção do espectador é o cuidado e a dedicação dos atores e do diretor em contar essa história de maneira cruamente realista e sem cair em clichês. Nota-se que os atores estão ali porque acreditaram no roteiro, tanto que todos os que aparecem na tela são dignos de congratulações por sua atuação – todos mesmo. Pra se ter uma idéia, Mariah Carey fez o papel que inicialmente ia ser interpretado por Helen Mirren (essa ganhadora do Oscar mesmo que você ta pensando) e não deixou nada a desejar!

Mas a atuação que mais se destaca é a de Mo’nique, que interpreta a mãe de Precious. É simplesmente espetacular o show que ela deu nesse filme! Não foi por menos que ela ganhou TODOS os prêmios a que concorreu – Oscar de melhor atriz coadjuvante incluso. Pra quem não conhece, Mo’nique é uma comediante americana (isso mesmo, comediante), especializada em stand-up comedy, que fez filmes pequenos como Garotas Formosas, O Dono da Rua e Domino, até se destacar para o mundo com Preciosa em 2009. Ela se superou nesse filme de um jeito que quem a conhece nem lembra que já foi capaz de rir com essa mesma mulher.

Outro detalhe que chama a atenção é a direção. Por ter sido um filme de baixo orçamento – só US$ 10 milhões de dólares – é impressionante o que o diretor Lee Daniels foi capaz de fazer. Nenhuma cena é filmada da maneira convencional – ou é perto demais, ou o personagem não fica no centro da tela, a câmera não fica parada, close na comida fritando... Além disso, as insinuações da violência sofrida pela protagonista foram muito bem feitas. O espectador sabe que ela está sofrendo abusos naquele momento, mas nada foi mostrado diretamente. Um exemplo: a mãe de Precious está “se acariciando” no quarto no primeiro andar, enquanto ela está sentada no sofá na parte de baixo da casa. A mãe a chama dizendo “venha cuidar da sua mãe”. A tela imediatamente fica preta e só podemos escutar Precious subindo a escada. Nada foi mostrado, mas você sente repulsa do mesmo jeito.

E os sentimento de pena e compaixão também estão sempre presentes, pois o filme é todo narrado pela protagonista, o que faz você saber exatamente como Precious se sente. Aliás, Gabourey Sidibe (Precious) estreou no cinema nesse filme. Fez um trabalho tão bonito que foi indicada ao Oscar e ao Globo de Ouro (e vários outros prêmios) de melhor atriz por causa dele. Hoje ela pode ser vista na série The Big C, da Showtime, como a aluna Andrea. Mas isso vocês já sabem porque eu fiz um review dessa série aqui no Prateleira!

Apesar de tudo isso, a quem temos que agradecer pela existência desse filme é a produção. Sabe quem é a produtora desse filme? Oprah Winfrey. Sabe quem é Oprah? Simplesmente a mulher mais poderosa da mídia americana, apresentadora do talk show de maior audiência nos EUA e que está no ar há 25 anos, dona de seu próprio estúdio de televisão (o Harpo Studios) e de sua própria revista (a O Magazine), a primeira mulher negra a ser incluída na lista de bilionários da Forbes, e a única mulher a permanecer no topo da lista por quatro anos. Acho que ela foi a grande responsável pela forma como essa história foi contada – crua, emocionante e inspiradora ao mesmo tempo – já que ela também foi abusada sexualmente por familiares na infância, superou os obstáculos de ser uma negra no Mississipi nos anos 50 e hoje é o que é.

Aliás, um parêntese: em uma determinada cena, Precious se pergunta o que Oprah diria naquele momento!! (Ah, Oprah, fazendo piada interna no próprio filme, hein?).

Bem gente, fica aí a dica. Espero que vocês gostem desse filme tanto quanto eu. Bom final de semana!

5 comentários:

  1. Eu quero muito assistir esse filme!! Adorei a dica, o texto tá ótimo!! \o/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a história! Adoro um drama *-* Estou pensando em ler o livro antes de assistir ao filme...

    Obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir
  3. A crítica ficou maravilhosa, Prix!! Essa é um filme que quero muito ver, mas fico adiando exatamente porque sei o quanto intenso ele é!! Quem sabe agora crio coragem...

    :*

    ResponderExcluir
  4. Obrigada gente!
    Esse filme realmente vale muito a pena.
    Se vc gosta de drama Leitoras, vai fundo! e quando vc ler, passa por aqui e comenta se o filme omitiu algum drama a mais na vida dela. (eu espero que não!pelo bem da pobrezinha...)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Eu já assisti esse filme e é DEMAIS!!!

    Adorei mesmo!

    Coloquei o livro na lista, mas vai demorar um pouco...

    Bjs

    Mariana
    Psychobooks

    ResponderExcluir

Adoraríamos saber a sua opinião, por isso, fique a vontade para expressá-la! Mas se ela for ofensiva, não iremos aceitá-la! =D

Projeto Lendo a estante #1

Eu tenho o blog desde 2010, e desde então começou minha compulsão por comprar livros e mais livros e nunca acabar mais. Hoje me vejo com seg...